quarta-feira, novembro 30, 2005

Os bons do reino

"Se todos os sectores do Estado fizessem o que fizemos, não existiria défice"

Fernando Ruas in JN - 18.11.2005

Quem o diz é o presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses.
Será que sabe dos estudos que indicam em cada ano de eleições autárquicas a despesa dos concelhos triplica? Ou seja, gastam o que não têm, pedem empréstimos ao banco. Maldito défice...

terça-feira, novembro 29, 2005

Portugal na CEE

"O problema dos brasileiros não é a carência mas a abundância. Acontece a certos países pobres: não sabem gerir o que têm"

Pedro Lomba in DN – 22.07.2005

segunda-feira, novembro 28, 2005

Coelho, um homem frontal...

"com a mesma fontalidade que critico este desnorte da oposição, também falo uma ressalva em relação ao governo: é preciso mais discurso social"

Jorge Coelho in DN - 18.11.2005

Discurso? O adjectivo foi mal escolhido por Jorge Coelho, mas faz parte da sua forma de estar na política...

domingo, novembro 27, 2005

"Será?"




Bandeira in DN - 25.11.2005

sábado, novembro 26, 2005

Pop bufa

"Vivemos na civilização do espectáculo e os intelectuais e escritores que figuram entre os mais populares quase nunca o são pela originalidade das suas ideias ou pela beleza das suas criações, ou, em todo o caso, não o são nunca apenas por essas razões intelectuais e literárias. São-no sobretudo pela sua capacidade histriónica, pela maneira como projectam e administram a sua imagem publicam pelo exibicionismo, palhaçadas, desplantes, insolências, toda aquela dimensão bufa e ruidosa da vida pública que hoje em dia faz as vezes de rebeldia e da qual os media podem tirar partido, convertendo os seus autores, da mesma forma que os artistas e aos cantores em espectáculo de massas."

Mario Vargas Llosa in DNa - 15.04.2005

sexta-feira, novembro 25, 2005

Pressões

"Há muito a pressão do diálogo e da conversa. É uma coisa que me
faz aflição. Mas porque é que temos de conversar? Conversaremos
se for caso disso mas não é drama nenhum se não abrirmos a boca"

Rodrigo Guedes de Carvalho in DNa 15.07.2005

quinta-feira, novembro 24, 2005

Mário Soares, o viajador

Eis um dos motivos porque não vou votar no candidato Mário Soares...

Durante os anos que ocupou o Palácio de Belém, Soares visitou 57
países (alguns várias vezes como por exemplo Espanha que visitou 24
vezes e a França 21 vezes), percorrendo no total 992.809 KMS o que
corresponde a 22 vezes a volta ao mundo.

1986
11 a 13 de Maio - Grã-Bretanha
06 a 09 de Julho - França
12 a 14 de Setembro - Espanha
17 a 25 de Outubro - Grã-Bretanha e França
28 de Outubro - Moçambique
05 a 08 de Dezembro - São Tomé e Príncipe
08 a 11 de Dezembro - Cabo Verde

1987
15 a 18 de Janeiro - Espanha
24 de Março a 05 de Abril - Brasil
16 a 26 de Maio - Estados Unidos
13 a 16 de Junho - França e Suíça
16 a 20 de Outubro - França
22 a 29 de Novembro - Rússia
14 a 19 de Dezembro - Espanha

1988
18 a 23 de Abril - Alemanha
16 a 18 de Maio - Luxemburgo
18 a 21 de Maio - Suíça
31 de Maio a 05 de Junho - Filipinas
05 a 08 de Junho - Estados Unidos
08 a 13 de Agosto - Equador
13 a 15 de Outubro - Alemanha
15 a 18 de Outubro - Itália
05 a 10 de Novembro - França
12 a 17 de Dezembro - Grécia

1989
19 a 21 de Janeiro - Alemanha
31 de Janeiro a 05 de Fevereiro - Venezuela
21 a 27 de Fevereiro - Japão
27 de fevereiro a 05 de Março - Hong-Kong e Macau
05 a 12 de Março - Itália
24 de Junho a 02 de Julho - Estados Unidos
12 a 16 de Julho - Estados Unidos
17 a 19 de Julho - Espanha
27 de Setembro a 02 de Outubro - Hungria
02 a 04 de Outubro - Holanda
16 a 24 de Outubro - França
20 a 24 de Novembro - Guiné-Bissau
24 a 26 de Novembro - Costa do Marfim
26 a 30 de Novembro - Zaire
27 a 30 de Dezembro - República Checa

1990
15 a 20 de Fevereiro - Itália
10 a 21 de Março - Chile e Brasil
26 a 29 de Abril - Itália
05 a 06 de Maio - Espanha
15 a 20 de Maio - Marrocos
09 a 11 de Outubro - Suécia
27 a 28 de Outubro - Espanha
11 a 12 de Novembro - Japão

1991
29 a 31 de Janeiro - Noruega
21 a 23 de Março - Cabo Verde
02 a 04 de Abril - São Tomé e Príncipe
05 a 09 de Abril - Itália
17 a 23 de Maio - Rússia
08 a 11 de Julho - Espanha
16 a 23 de Julho - México
27 de Agosto a 01 de Setembro - Espanha
14 a 19 de Setembro - França e Bélgica
08 a 10 de Outubro - Bélgica
22 a 24 de Novembro - França
08 a 12 de Dezembro - Bélgica e França

1992
10 a 14 de Janeiro - Estados Unidos
23 de Janeiro a 04 de Fevereiro - India
09 a 11 de Março - França
13 a 14 de Março - Espanha
25 a 29 de Abril - Espanha
04 a 06 de Maio - Suíça
06 a 09 de Maio - Dinamarca
26 a 28de Maio - Alemanha
30 a 31 de Maio - Espanha
01 a 07 de Junho - Brasil
11 a 13 de Junho - Espanha
13 a 15 de Junho - Alemanha
19 a 21 de Junho - Itália
14 a 16 de Outubro - França
16 a 19 de Outubro - Alemanha
19 a 21 de Outubro - Áustria
21 a 27 de Outubro - Turquia
01 a 03 de Novembro - Espanha
17 a 19 de Novembro - França
26 a 28 de Novembro - Espanha
13 a 16 de Dezembro - França

1993
17 a 21 de Fevereiro - França
14 a 16 de Março - Bélgica
06 a 07 de Abril - Espanha
18 a 20 de Abril - Alemanha
21 a 23 de Abril - Estados Unidos
27 de Abril a 02 de Maio - Grã-Bretanha e Escócia
14 a 16 de Maio - Espanha
17 a 19 de Maio - França
22 a 23 de Maio - Espanha
01 a 04 de Junho - Irlanda
04 a 06 de Junho - Islândia
05 a 06 de Julho - Espanha
09 a 14 de Julho - Chile
14 a 21 de Julho - Brasil
24 a 26 de Julho - Espanha
06 a 07 de Agosto - Bélgica
07 a 08 de Setembro - Espanha
14 a 17 de de Outubro - Coreia do Norte
18 a 27 de Outubro - Japão
28 a 31 de Outubro - Hong-Kong e Macau

1994
02 a 05 de Fevereiro - França
27 de Fevereiro a 03 de Março - Espanha (incluindo Canárias)
18 a 26 de Março - Brasil
08 a 12 de Maio - África do Sul (Tomada de posse de Mandela)
22 a 27 de Maio - Itália
27 a 31 de Maio - África do Sul
06 a 07 de Junho - Espanha
12 a 20 de Junho - Colômbia
05 a 06 de Julho - França
10 a 13 de Setembro - Itália
13 a 16 de Setembro - Bulgária
16 a 18 de Setembro - - França
28 a 30 de Setembro - Guiné-Bissau
09 a 11 de Outubro - Malta
11 a 16 de Outubro - Egipto
17 a 18 de Outubro - Letónia
18 a 20 de Outubro - Polónia
09 a 10 de Novembro -
Grã-Bretanha
15 a 17 de Novembro - República Checa
17 a 19 de Novembro - Suíça
27 a 28 de Novembro - Marrocos
07 a 12 de Dezembro - Moçambique
30 de Dezembro a 09 de Janeiro 1995 - Brasil

1995
31 de Janeiro a 02 de Fevereiro - França
12 a 13 de Fevereiro - Espanha
07 a 08 de Março - Tunísia
06 a 10 de Abril - Macau
10 a 17 de Abril - China
17 a 19 de Abril - Paquistão
07 a 09 de Maio - França
21 de Setembro - Espanha
23 a 28 de Setembro - Turquia
14 a 19 de Outubro - Argentina e Uruguai 20 a 23 de Outubro -
Estados
Unidos
27 de Outubro - Espanha
31 de Outubro a 04 de Novembro - Israel
04 e 05 de Novembro Faixa de Gaza e Cisjordânia
05 e 06 de Novembro - Cidade de Jerusalém
15 a 16 de Novembro - França
17 a 24 de Novembro - África do Sul
24 a 28 de Novembro - Ilhas Seychelles
04 a 05 de Dezembro - Costa do Marfim
06 a 10 de Dezembro - Macau
11 a 16 de Dezembro - Japão

1996
08 a 11 de Janeiro - Angola

terça-feira, novembro 22, 2005

Cão com dono

"A minha geração achou que era dona do País"

Saldanha Sanches in Visão - 30.06.2005

E ainda acha.
Julga-se credora e não devedora.
Não se preocupa com o futuro dos que vão cá ficar. Pensa na reforma e não na dinamização do trabalho e consequentemente, do país.
Na política de oposição fala á boca cheia dos problemas do país, mas quando estava no poder nada resolveu.
Demite-se de se associar e lutar por um país mais justo para todos: "para quê que eu vou votar?".

segunda-feira, novembro 21, 2005

Quem dá música por quem?

Veja-se em A Trompa as opções de apoio que músicos nacionais fazem perante os cinco candidatos à presidência.

No horizonte vislumbra-se um candidato imbativel...

domingo, novembro 20, 2005

sábado, novembro 19, 2005

"Chave" e "fechadura"

"O Expresso pré-publicou as cartas de amor que António Lobo Antunes envuou de África à sua mulher, entre 1971 e 1973. Nelas descobrimos que Lobo Antunes gostou do filme Love Story, que camava à esposa "meu sorvete de morango, meu pratinho de arroz-doce", e que ainda por cima dizia ter contade de lhe "meter a chave" na "fechadura do seu corpo". Eu não precisava de saber isto. Eu não queria saber isto. Há coisas que só se divulgam depois da morte."

João Miguel Tavares in DN - 18.11.2005

sexta-feira, novembro 18, 2005

Capital de risco

Como todos, oiço os portugueses a falar, todo o tipo de português e constato que a esmagadora maioria não vai, nem quer ir além do inverso da célebre frase de Kennedy: limitam-se a perguntar o que o país pode fazer por eles.
(...)

juízes, também sabem, e sabem que nós sabemos, que a justiça é talvez a coisa que pior funciona em Portugal,mais lenta, mais ineficaz, mais cara e mais afastada das necessidades dos cidadãos. Mas aquio com que unicamente os ouvimos preocuparem-se é com o seu estatuto, as suas férias, a manutenção do seu regime de total desresponsabilidzação profissional.
(...)

Em Portugal, 63 por cento do capital de risco é assumido pelo sector público; em Espanha é 9 por cento, o resto é privado. A diferença é eloquente e explica muita coisa.
(...)

Resta-nos esperar que a UE não se desagregue nem se canse de nos aturar, porque, então sim, ficaremos face a face com nós próprios e corremos o risco de concluir que nos tornámos um país inviável

Miguel Sousa Tavares in Público - 24.06.2005

terça-feira, novembro 15, 2005

"De certa forma, todos falhámos. Não fomos capazes de conter o surto dea sociedade de consumo. Não readaptámos os valores à nova época. Deixámos de ser cidadãos para sermos consumidores. Os pensadores e filósofos da nossa sociedade, hoje, são os publicitários. Eles dizem o que vamos pensar, como vestir, o que comer."

Flávio Tavares, jornalista e escritor, in Actual - 13.08.2005

segunda-feira, novembro 14, 2005

Papá! Papá!

Filha do Major já é vereadora


"Paiiii paiiii, és o maior!". Foi assim que a agora vereadora de Gondomar recebeu Valentim Loureiro depois de ter estado detido para interrogações. Histeria familiar numa noite televisiva.

Dois anos se passaram, e a foto que ilustra este artigo mostra uma Daniela Loureiro Himmel com a mesma pose. Assuntos familiares...

domingo, novembro 13, 2005

A liberdade que a religião nos concede

"A ideia de um Estado laico e de uma religião confinada à esfera individual e familiar era intolerável para este Papa João Paulo II] que nunca deixou de condenar com firmeza todas as medidas sociais e políticas que entrassem em conflito com os ensinamentos da Igreja, mesmo que se tratassem de disposições e leis aprovadas por governos de inequívoca origem democrática. (...)

Como não é concebível que uma sociedade progrida e prospere sem uma vida espiritual e religiosa, e, no caso do Ocidente, religião quer dizer sobretudo cristianismo, teria sido desejável que o catolicismo se adaptasse, como já o fez no passado quando as circunstâncias o empurraram a aceitar a democracia, as realidades do nosso tempo em matérica sexual, moral e cultural, começando pela emancipação da mulher e terminando pelo conhecimento do direito à igualdade das minorias sexuais."

Mário Vargas Llosa in DNa - 13.05.2005

sábado, novembro 12, 2005

Fim de semana em pijama

"as pessoas que mais se arranjam são aquelas que têm mais necessidade de apelar - ou que não têm uma relação sexual afectiva ou que estão insatisfeitas. Caso contrário, também não precisavam tanto de chamar a atenção"

Nuno Nodin (sexólogo) in DNa - 13.05.2005


sexta-feira, novembro 11, 2005

Tragédias

Para quem vive com e pela religião, esta explica tudo.
Quando o furacão Katrina assolou Nova Orleães, os seus resultados foram bem quistos por fanáticos muçulmanos da peninsula arábica. Viram no furacão um soldado de Alá contra o diabo Americano.

De quem serão vítimas os mortos (85 mil), feridos e desalojados do terramoto no Paquistão?

quinta-feira, novembro 10, 2005

Direito a reclamar

A partir de hoje os inscritos no Centro de Emprego com menos de 30 anos e com menos de dois anos de descontos para a segurança social.

Seria bom se em vez de terem mais obrigações, também pudessem ter mais deveres pois o serviço que o Centro de Emprego presta em certas cidades é ridículo. Falo nomeadamente das chamadas consecutivas que fazem a jovens desempregados para serem monitorizados, "ensinados" sobre variadíssimas coisas como: aprender a fazer um curriculum, pela mão de pessoas que não o sabem. Mais gritante, é o conjunto de cursos que disponibiliza pelo IEFP aos jovens que nas universidades se formaram para o desemprego. Na grande maioria dos casos, são cursos desajustados com nomes "ajustados à realidade". Garantem emprego? Sim, mas aos formadores.

Formadores que muitos deles não sabem leccionar e que apenas fomentam o desanimar de pessoas que estão sem perspectivas de futuro e que acreditaram no programa de requalificação do IEFP.

quarta-feira, novembro 09, 2005

Os miseráveis

Segundo (António) Barreto, a elite portuguesa (política, empresarial, intelectual,
universitária) não cumpre o seu papel, Não só porque não protesta e não critica, mas também porque activamente colabora na demagogia e no desperdício. Porque, em suma, se tornou, ou nunca deixou de ser, ignoranmte e predadora. (...)

Se a elite portuguesa não vale nada , em rigor não merece sequer o nome e não há nada a esperar dela. (...)

O que se passa em Portugal por elite não difere do resto da sociedade. Nesse sentido, representa bem o país (que naturalmente não "puxa" para lado nenhum) com a sua cultura de miséria, de mentira e de parasitismo"

Vasco Pulido Valente in Público - 08.07.3005

terça-feira, novembro 08, 2005

Nada do que fazemos tem muito sentido se não houver testemunho, apreço, crítica sobre isso. Se damos um trambolhão nas escadas e estamos sozinhos, é como se nunca tivesse acontecido. O que somos e fazemos da nossa vida tem que ser visto pelos outros. É nesse jogo de espelhos que a pessoa se encontra.

Ana Drago in DNa - 26.09.2005

domingo, novembro 06, 2005

Tradição



Bandeira in DN - 02.11.2005

sábado, novembro 05, 2005

Ouvido de líder

"No fundo, acho que um grande líder tem que ter um excelente ouvido para melodia. Por estas palavras, refiro-me a clareza de ideias. (...)
é a habilidade de ver através do ruído e do ressoar de ideias, e de conversas e pontos de vista, ouvir a linha melódica e perceber: é isto que temos de fazer; isto é mais importante que o resto.

Bono Vox in DN:música num excerto de Bono por Bono (livro de entrevista de Michka Assayas) - 08.07.2005

sexta-feira, novembro 04, 2005

Setenta e cinco vezes mil

Os noticiários de ontem dão conta do último balanço do sismo do Paquistão: 75 mil mortos. Um número asim é mais fácil de pronunciar do que de perceber. Porque, se tentamos perceber o que sejam 75 mil mortos, a nossa razão naufraga, sem nada de reconhecível por perto a agarrar-se (...)
Três milhões de desalojados é algo que percebemos; mas 75 mil mortos... E, no entanto, os telejornais deram 30 segundos ao assunto. Afinal o Paquistão é longe.

Manuel António Pina JN 03.11.2005

Ainda sobre os prémios MTV

«O espectáculo começou com cerca de dez minutos de atraso, pouco comum para os padrões da cadeia de televisão MTV» (Agência Lusa, 03-11-2005 20:22:00).

Tipicamente português. Palavras para quê? Foi a "nossa" pequena vingança por não termos artistas portugueses a actuar, ihihihii!

quinta-feira, novembro 03, 2005

Mtv resort

Não há bandas portuguesas no palco do Mtv Europe Awards.

Compreende-se... nenhuma agrupamento nosso está no topo de vendas das discográficas. Como a Mtv deixou há muito de ser um projecto de apoio à música, mas uma máquina de facturar dinheiro à custa dela, o Pavilhão Atlântico é hoje um resort daquela marca americana. Nós damos o espaço e as "bebidas", eles recheam-lo com vedetas que o façam render.


quarta-feira, novembro 02, 2005

Dia de todos os mortos

O sítio que sugiro é mórbido, para alguns repugnante, mas sociológicamente interessante. Revela-nos mais de mil imagens de campas de humanos famosos.

A morte é turística, quem pode visita os cemitérios mais famosos das capitais mundiais. Quem pode, não perde a oportunidade de visitar em Paris o cemitério Le Pere Lachaise onde "repousam" Honore de Balzac, Georges Bizet, Frederic Chopin, Jim Morrison, Oscar Wilde entre outros.

Para além de fotos temos também a adornar textos que nos clarificam mortes e enterros que se tornaram boatos. É o caso de Walt Disney. O seu corpo não foi congelado após a sua morte.

terça-feira, novembro 01, 2005

Ó meu amigo, a questão aqui é muito simples...

Porque é que não há um (bom) sítio nacional sobre os acontecimentos passados a 1 de Novembro de 1755?